O envelhecimento populacional é um desafio para o mundo atual e uma das principais queixas percebidas se relaciona à memória, por trazer repercussões na vida do indivíduo, na família e nos grupos sociais.

Na velhice normal, ocorrem limitações funcionais típicas e inevitáveis do envelhecimento, e o tipo de memória mais afetado é a memória de curto prazo,  em decorrência, possivelmente, da menor capacidade de armazenamento.

O geriatra é o profissional que pode auxiliar na resposta de diversas dúvidas que surgem nesta etapa da vida e que preocupam os pacientes e familiares. Questionamentos como:

  • Quando devemos começar a nos preocupar com a perda de memória que começa a aparecer com o envelhecimento?
  • Existem outras causas que não sejam a temida demência?
  • Envelhecer significa perder a memória?

Com o envelhecimento normal, sabe-se que a memória do idoso declina progressivamente, mesmo quando ele goza de boas condições de saúde. O peso do cérebro diminui, há uma menor prontidão da memória, redução do número de neurônios e dos neurotransmissores, como acetilcolina e dopamina, diminuição da memória de aquisição, de evocação e da velocidade de condução.

Portanto, nem todo esquecimento é sinônimo de doença de Alzheimer. Tem de se pensar no envelhecimento normal, mas sempre excluir causas como depressão, insônia, uso de medicamentos, hipotireoidismo ou hipovitaminoses e observar sinais de alerta que nos chamam atenção, quando, junto da perda de memória, existem alterações de comportamento e humor.

Dicas para ficar com a memória ativa

  • Leia algo novo diariamente;
  • Faça atividades diferenciadas todos os dias, para ativar o cérebro;
  • Realize joguinhos que estimulem o cérebro e que envolvam o raciocínio, como palavras cruzadas, xadrez, dominó, jogos de perguntas e respostas, jogos de cartas, quebra-cabeças e bingo;
  • Tenha uma boa noite de sono;
  • Anote tudo que for importante em um caderno ou uma agenda;
  • Faça cursos para estimular o seu conhecimento.

Percebe-se, então, que não existe fórmula mágica, pois envelhecer com saúde e, principalmente, realizar a prevenção exige esforço pessoal e responsabilidade na prática de exercícios físicos regulares, alimentação adequada, não fumar, consumir pouco álcool e manter o peso ideal.

“O adulto normal esquece, lembra-se de que esqueceu e mais tarde lembra o que esqueceu. O portador de doença de Alzheimer esquece, esquece que esqueceu e não está preocupado com isso segundos depois”

Dr. Dan Blazer

Artigos similares

Sem comentários

Deixar uma resposta